SOFRE DE GOTA? CONHEÇA OS BENEFÍCIOS DA HOMEOPATIA NO TRATAMENTO DESTA PATOLOGIA

 

 

A gota é uma doença inflamatória metabólica que atinge pessoas com uma percentagem elevada de ácido úrico no sangue, geralmente acima dos 6,8mg por 100ml de sangue, e que se carateriza por acessos repetidos de artrites inflamatórias, por acumulação de uratos (tofos), afeção renal a nível do tecido intersticial e, às vezes, por litíase renal. Estes sintomas podem manifestar-se de forma isolada ou associada.

 

O excesso de ácido úrico no sangue forma cristais que se depositam nas articulações, preferencialmente, a do dedo grande do pé, mas também nas dos tornozelos e nas dos joelhos. O resultado é uma inflamação da articulação, que se apresenta muito dolorosa e extremamente sensível ao toque.

Outra complicação possível, decorrente dos altos níveis de ácido úrico no sangue, é o seu depósito nos rins e a formação de cálculos renais. Os cristais, pequenas bolinhas brancas semelhantes a gotículas de leite condensado, também designados de tofos, quando se acumulam dentro dos túbulos renais provocam dores intensas e podem levar a uma obstrução na passagem da urina.

 

Mas o que é, afinal, o ácido úrico?

 

O ácido úrico é um produto formado a partir do metabolismo de uma substância chamada purina, um dos componentes do ADN, formado na quebra de proteínas, principalmente as de origem animal. Em condições normais, uma parte deste produto é eliminada pela urina e o restante circula no corpo sem causar quaisquer problemas de saúde. Contudo, devido a alterações metabólicas, o organismo pode começar a produzir muito ácido úrico e os rins, mesmo tendo uma excreção normal, não conseguem eliminar o ácido úrico suficiente para manter uma taxa baixa no sangue. Pode ocorrer também, geralmente na maioria dos casos, que apesar da produção de ácido úrico ser normal, os rins só conseguem eliminar uma pequena quantidade e o resultado é um excesso circulante.

Cerca de 20% dos indivíduos que apresentam ácido úrico elevado desenvolvem crises repetidas de gota, principalmente homens entre os 30 e os 50 anos de idade e mulheres na fase da menopausa que apresentam mais fatores de risco como obesidade, dieta rica em proteínas, consumo de álcool e hipertensão arterial, sobretudo, quando tratada com medicamentos diuréticos.

 

Qual o tratamento a seguir?

 

A primeira indicação que, geralmente, é dada ao paciente é a de evitar o consumo de bebidas alcoólicas e de certos alimentos tais como marisco, ovos, nozes, anchovas, leguminosas e carnes vermelhas, no entanto, embora recomendável, é importante saber que, tratando-se de um problema do metabolismo das purinas, a alteração dos hábitos alimentares, por si só, não será suficiente para impedir o excesso de produção de ácido úrico, sendo, portanto, imprescindível atuar sobre o terreno do paciente, para, desta forma, tentar corrigir essa alteração metabólica.

 

O tratamento Homeopático

 

O tratamento homeopático atua na fase aguda da crise, com remédios específicos do paciente e de artrite gotosa aguda, mas incide, fundamentalmente, sobre o terreno artrítico do paciente, corrigindo a sua predisposição gotosa.

De entre os remédios da fase aguda, destacam-se, entre outros:

         Arnica Montana, especialmente indicado nas crises gotosas que surgem após esforços físicos ou microtraumatismos repetidos, por exemplo, uso de sapatos mal adaptados.

Ledum Palustre, quando a articulação se apresenta pálida, quente e inchada e as dores agravam com a noite e o calor da cama, melhorando com aplicações frias, especialmente quando se trata da articulação do dedo grande do pé.

Apis Mellifica, as articulações afetadas apresentam edema rosado e acompanham-se de dores ardentes e tipo picadas que melhoram pelo frio.

Bryonia Alba, especialmente se o início da crise é progressivo, o edema é muito doloroso e agrava ao mínimo movimento, melhorando com repouso absoluto e aplicações quentes.

Lachesis Mutus está indicado em acessos fleimosos que se caraterizam por edema violáceo com dor pulsátil e hiperestesia ao contato e, por último, Benzoicum Acidum, quando a urina é escassa, de cor escura e odor muito muito forte.

Terminada a fase aguda, torna-se imperioso tratar o terreno gotoso do paciente de forma a evitar futuras complicações renais, permitir uma correção da predisposição e travar a progressão das deformações articulares. Neste sentido, destacaremos dois grandes remédios específicos deste modo reacional do paciente: Calcarea Carbonica Ostrearum, indicado, sobretudo, em situações de litíase renal, devido à similitude fisiopatológica deste remédio com as formações fosfáticas ou oxálicas, apresentando, portanto uma ação muito benéfica na cólica nefrítica e na redução da litíase renal e, finalmente, Lycopodium Clavatum que, pela sua marcada polaridade digestiva e renal, é fortemente recomendado por ajudar a restabelecer os valores normais de uricemia.

 

Apesar dos excelentes resultados obtidos com os remédios homeopáticos acima indicados, no caso específico da Gota, o tratamento desta patologia, bem como o de qualquer outra em Homeopatia, tem que ser individualizado e não dispensa o aconselhamento especializado de um profissional de saúde, pelo que sugerimos uma consulta com o seu Homeopata.

 

 

 

 

 

 

3 thoughts on “SOFRE DE GOTA? CONHEÇA OS BENEFÍCIOS DA HOMEOPATIA NO TRATAMENTO DESTA PATOLOGIA


  1. Tive uma crise dor no dedão pelos sintomas um familiar me falou que e acido urico alto, não gostaria de tomar remédios de farmácia e sim homeopaticos, não sei nem por onde começar

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *