Prevenir e Tratar a Hipertensão pela Homeopatia

O envelhecimento é um processo natural de todos os seres vivos, isso todos nós sabemos.

Porém, quando falamos em envelhecimento, de um modo geral, associamo-lo apenas às mudanças que vamos observando na fisionomia e nos aspetos externos do nosso corpo, mas pouca, ou nenhuma, atenção prestamos às mudanças que vão ocorrendo, com o passar dos anos, no interior do nosso organismo, simplesmente, porque não as vemos nem as sentimos.

Hipertensão

Ter, portanto, uma maior consciência desse processo de envelhecimento interno é o primeiro passo para poder prevenir a maior parte das doenças crónicas. Convém, no entanto, salientar que envelhecimento não é sinónimo apenas de idade, já que nem sempre a idade cronológica, determinada pela data de nascimento, corresponde à idade biológica que refere o estado de saúde do indivíduo, por assim dizer,  o estado em que se encontram os diferentes órgãos, as artérias, os ossos bem como o estado da nossa mente.

 

As Doenças cardiovasculares e o Processo de Envelhecimento

 

O Envelhecimento está associado à perda da homeostase e consequente declínio funcional dos sistemas orgânicos. A nível cardiovascular, essa perda inicia-se cada vez mais cedo, especialmente, nos países ocidentais, onde as doenças cardiovasculares são as que mais matam.

Entre outros, a Hipertensão é um dos maiores fatores de risco para as doenças cardiovasculares, visto que pode estar na origem de sérias complicações.

 

Causas e prevenção da Hipertensão 

 

As causas da Hipertensão são várias, nelas se incluem as de ordem genética e ambiental, mas são também, e sobretudo, as de ordem emocional as que, na generalidade dos casos, lhe estão associadas.

Holly S. Andersen, médica e diretora do Instituto do Coração Ronald O. Perelman de Nova Iorque, muito conhecida e famosa pelas suas palestras sobre como ter um coração saudável, afirma que “os médicos são realmente eficazes a tratar ataques cardíacos, mas não tão eficazes a preveni-los”.

Ainda segundo ela, uma vez que o stresse não é fácil de medir, como o colesterol ou a pressão sanguínea, claramente objetivos, a classe médica não lhe dedica grande atenção, contudo, deixa uma aviso, “é realmente importante que os médicos comecem a cuidar da pessoa na sua totalidade, incluindo as suas mudanças de humor e as suas vidas, porque isso interessa.”

Com efeito, muitos estudos têm comprovado que a Hipertensão tem, na sua génese, diversos fatores emocionais e conflitos internos e externos, sobretudo, familiares, profissionais ou económicos e é essa a razão que explica a elevada percentagem cerca de 90%, daquilo que se designa por Hipertensão primária ou essencial, isto é, sem causa identificada ou conhecida, por comparação com os valores da Hipertensão secundária cuja causa é conhecida como, por exemplo, em situações de doença renal, apneia do sono ou síndrome de Cushing.

Tratamento da Hipertensão na ótica da Medicina Homeopática

De acordo com os princípios e fundamentos da Homeopatia, o que há a tratar não é a doença, ou seja, os sintomas característicos da doença manifestados de igual modo por todos os pacientes diagnosticados com uma determinada patologia. O que se esconde por detrás dessas manifestações, e que torna único o paciente na sua forma de sofrer, é o que realmente interessa ao Homeopata.

Baixar os valores da tensão arterial à custa de hipotensores não resolve o verdadeiro problema, permite apenas mascarar o problema e fazer com que, de uma forma silenciosa, a doença se vá agravando até culminar numa situação irreversível ou fatal.

De um modo geral, o que podemos afirmar é que, na quase totalidade dos pacientes que surgem na consulta de Hipertensão, a ansiedade, a supressão das emoções, o stresse, a dor psicológica e silenciada, e o sofrimento prolongado são expressões comuns a todos eles. E o que se verifica é que ao equilibrar o paciente com o remédio homeopático adequado ao seu quadro sintomático, ele passa a lidar de forma saudável com as situações que geram stresse e, desta forma, removida a causa, a tensão arterial estabiliza.

Embora, por esta razão, não possamos dizer qual o conjunto de remédios que tratam a Hipertensão essencial, os que apresentam, na sua patogenesia, os sintomas mentais/ emocionais acima referidos são geralmente, bem sucedidos.

Alguns Remédios Homeopáticos utilizados em doentes com Hipertensão Essencial

 

Staphysagria: Consequências de raiva contida, humilhação ou vexame que silenciam e que, por vezes, se manifesta em quadros de hipertensão ou adenomas e carcinomas, extrema sensitividade.

Sepia: Depressão, grande excitabilidade e sensitividade, vê-se forçada a fazer o que lhe é exigido contra a sua vontade e contra os seus desejos, acaba por se sentir sobrecarregada com tarefas e desenvolvendo aversão à companhia e à família.

Ignatia: Hipersensíveis a contrariedades, dor e sofrimento silenciado, aversão ao consolo, todas as suas manifestações são paradoxais, como por exemplo, dor de garganta que melhora ao engolir. Somatizam as suas preocupações em forma de crise hipertensiva.

Natrum muriaticum: Ansiedade, irritabilidade, sentimental reservado, dor prolongada e não demonstrada, que cristaliza internamente, cismam sobre o seu passado.

Aconitum napellus: Quando a hipertensão surge em forma de crise, pulso rápido, cefaleia com sensação de estoirar, palpitações e taquicardia, angústia extrema, agitação e medo da morte.

Nux vomica: Paciente psiquicamente ativo, mas fisicamente sedentário, de temperamento colérico,transtornos digestivos, sonolência pós-prandial

Considerações Finais

Uma dieta equilibrada, a prática de exercício regular, a toma frequente de chás e de suplementos naturais com propriedades calmantes, diuréticas e hipotensoras e um sono de qualidade são também aspetos a ter em conta no tratamento da tensão arterial elevada.

Caso sofra de Hipertensão, apesar das sugestões aqui apresentadas, aconselhamos que solicite a ajuda de um profissional de saúde qualificado.

 

a

 

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *