A Proteína Spike: O que é e qual a sua utilidade?

Para saber o que é a proteína Spike é preciso compreender primeiro o que é um vírus.

Comecemos, então, por perceber o que é um vírus.

Um vírus é um pequeno agente infecioso, submicroscópico, geralmente com apenas alguns nanómetros de diâmetro, tão pequenos que apenas são visíveis através de microscópios eletrónicos.

Os vírus não são, portanto, uma célula, como as bactérias, e não possuem a “maquinaria” necessária para se poderem reproduzir por si mesmos. Dispõem apenas de uma ou várias moléculas de ácido nucleico, que pode ser DNA, RNA ou ambos, protegido por uma cápsula proteica, formada por várias proteínas.

Por essa razão, e para se reproduzirem, necessitam de penetrar em algumas células específicas do hospedeiro e, a partir daí, apropriarem-se da “maquinaria” necessária para a sua própria replicação. Fora deste ambiente, um vírus é totalmente inerte.

Vejamos agora de que forma um vírus consegue penetrar numa célula.

Um vírus não consegue infetar todas as células, apenas as que têm recetores compatíveis com os seus peplómeros, estruturas proeminentes, geralmente constituídas de glicoproteínas e lipídios, que se encontram na superfície do envelope viral de certos vírus.

No caso dos coronavírus, o envelope viral é composto por três proteínas:

  • A proteína de ponto, de pico ou spike
  • A proteína da membrana
  • A proteína de envelope

O vírus SARS-CoV-2 utiliza a sua glicoproteína spike para se ligar e entrar nas células específicas do hospedeiro, de forma semelhante a um mecanismo chave/fechadura.

No caso das inoculações contra a infeção do novo coronavírus, foi posta em prática uma nova tecnologia, a de mRNA, nunca até então utilizada em seres humanos e que utiliza a proteína spike como parte da resposta imune. Perante a produção dessa proteína, o sistema imunitário responde com a produção de anticorpos de forma a bloquear esta interação

Até há algum tempo, pouco se sabia sobre esta proteína spike, hoje, porém, o conhecimento é já suficientemente grande para se perceber que se trata de uma toxina com um enorme efeito patogénico nos organismos.

Acerca desta nova tecnologia inoculadora, um estudo japonês recente chamou a atenção para a presença de nanopartículas de mRNA no cérebro e em vários órgãos de indivíduos inoculados de ambos os sexos.

Muitas têm sido, também, as conclusões dos mais eminentes e prestigiados cientistas e virologistas mundiais a serem publicadas a este respeito.

O Dr. Byram Bridle, com base num estudo científico “Peer review” mostrou a sua grande preocupação relativamente às consequências da inoculação desta proteína que, ao ser injetada no músculo, entra na circulação e, após alguns dias de permanência na corrente sanguínea, tende a acumular-se em alguns tecidos, tais como, o baço, medula óssea, fígado, glândulas adrenais e em grande quantidade nos ovários e testículos.

A proteína spike está também associada a alterações nos vasos sanguíneos e no sangue, tais como, formação de coágulos ou de hemorragias.

Se atravessar a barreira hematoencefálica, esta proteína pode causar problemas neurológicos severos, tais como, a formação de coágulos e de hemorragias cerebrais.

Este grupo de cientistas acredita também ser possível a transmissão dessa proteína tóxica para bebés, através da amamentação.

Deixamos aqui uma síntese da explicação dada pelo Dr. Byram Bridle, Professor of Viral Immunology University of Guelph

Dr. Byram Bridle, que é 100% pró-vacina, fez as seguintes declarações:

“… A proteína spike, por si só, é quase inteiramente responsável pelos danos ao sistema cardiovascular. Se entrar na circulação, na verdade, se você injetar a proteína spike purificada no sangue de animais de pesquisa, eles causam todos os tipos de danos ao sistema cardiovascular e podem cruzar a barreira sangue-cérebro e causar danos ao cérebro.

Eles encontraram um pico da proteína em circulação, ou seja, no sangue de 11 dos 13 profissionais de saúde que receberam a vacina. Sabemos há muito tempo que a proteína spike é uma proteína patogênica. É uma toxina. Ela pode causar danos em nosso corpo se entrar em nossa circulação. Agora, temos evidências claras de que as vacinas injetadas em nossos corpos, músculos ou células, fabricam essa proteína. Não a vacina em si, mas a proteína entra na circulação sanguínea. Quando entra em nossa circulação, a proteína spike pode se ligar aos receptores que estão em nossas plaquetas e às células que revestem nossos vasos sanguíneos. Quando isso acontece, ela pode fazer uma das duas coisas: pode causar o acúmulo de plaquetas e levar à coagulação (e é exatamente por isso que temos visto distúrbios de coagulação associados a essas vacinas) e também pode causar sangramento. E, é claro, o coração está envolvido, já que é uma parte fundamental do sistema cardiovascular. É por isso que estamos vendo problemas cardíacos. A proteína também pode cruzar a barreira hematoencefálica e causar danos neurológicos. É por isso também que nos casos fatais de coágulos sanguíneos, muitas vezes [a proteína] é encontrada no cérebro.

Resumindo, a conclusão é que cometemos um grande erro. Não tínhamos percebido isso até agora. Vimos que a proteína spike era um ótimo antígeno-alvo. Não consideramos que a proteína spike, em si mesma, era uma toxina e uma proteína patogênica. Assim, ao vacinar as pessoas, estamos inadvertidamente inoculando-as com uma toxina e, em algumas pessoas, isso entrará na circulação. Quando isso acontece em algumas pessoas, pode causar danos, principalmente no sistema cardiovascular. Não temos tempo, mas há muitas outras questões vitais sobre a segurança a longo prazo desta vacina. Por exemplo, com o acúmulo nos ovários. Uma das minhas perguntas é: vamos tornar os jovens inférteis? Alguns deles inférteis? “

2 thoughts on “A Proteína Spike: O que é e qual a sua utilidade?


  1. Muito agradecida por esta informacao veridica, que me esclareceu o funcionamento
    desta vaccina, assim estou 100% resolvida e decidida de nao me vaccinar.
    Porque sera que oferecem e pressionam socialmente de tomar um remedio,
    contra um virus suspeito,pondo em perigo a saude e vida humana ???
    Sera que dinheiro vale mais que o ser humano ? O medo e um excellente control,
    o medo nos desliga da forca de nosso verdadeiro ser…
    com cumprimentos
    Gabriele Hofmann


    1. Sem dúvida Gabriele, o dinheiro e o desejo de controlar as massas está muito acima do interesse na saúde das populações, a vida não tem qualquer valor para quem manda no mundo!
      Um abraço
      Georgina Fonseca

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *